sábado, 2 de junho de 2018

SÉRIE Vinhos Brasileiros: Casa Valduga




A Casa Valduga é uma das grandes atrações do Vale do Vinhedos (Bento Gonçalves/RS).

O lugar é encantador e bastante sofisticado. Dentro da chamada Villa Valduga, é possível hospedar-se na pousada, desfrutar do restaurante Maria Valduga e fazer compras na enoboutique.

É comum na região do Vale dos Vinhedos, as vinícolas cobrarem ou uma pequena taxa para visita aos parreirais e degustação e, normalmente, parte o valor pago o cliente pode ter em desconto nas compras na loja (é o caso da Salton que é cobrado R$ 10,00 e a metade fica em desconto na loja, a Miolo tem a mesma prática - não recordo o valor que cobram), ou simplesmente não cobram (caso da Chandon e Dal Pizzol).

Já na Casa Valduga é diferente, o valor é cobrado sim porém você recebe uma taça de cristal, o tour começa por um vídeo e vai até os vinhedos - caso esteja chuvoso, fica por dentro da vinícola mesmo mas não perde em nada pois beber em meio as barricas é também muito acolhedor - e degusta-se todos os rótulos a vontade, a menos que eu tenha tido sorte com o guia que nos recebeu, ele nos deixou bem confortáveis para provar novamente (e novamente...) os vinhos ou espumantes que mais gostamos.

Se foi estratégico eu não sei, mas saí de lá carregada das garrafas que "mais gostei"... 

Na segunda visita que fiz - sim, é pertinho de Porto Alegre e vou para Bento sempre que possível, pra mim é bem mais encantador que Gramado, por exemplo - acho sim que é o encanto do mundo dos vinhos e espumantes - fomos para almoçar no restaurante Maria Valduga. Quis conhecer o famoso restaurante da região.


O salão é lindo, os vinhos são ótimos para consumir pois se pode comprar os mesmos vinhos da loja, a preço de varejo mesmo. O menu oferecido é estilo as demais cantinas da cidade: massas, galeto, saladas porém não há menu na mesa e nada informam na entrada, então não sabíamos ao certo o que iríamos consumir. 
A proposta é os garçons (educados e impecavelmente arrumados), trazerem à mesa e repor ou oferecer novo prato quando a porção do cliente termina mas isso acontecia em um ritmo muito lento, o salão não estava cheio, percebia-se muitos funcionários circulando mas a comida vinha da cozinha em ritmo lento mesmo. 
Finalmente a sobremesa, optei pela panna cotta (tipica sobremesa Italiana de Piemonte) boa, saborosa. Só me decepcionou um pouco (aí faço crítica mesmo como profissional da área) não utilizarem a fava da baunilha e sim a essência, o que confere um gosto mais artificial. É gostoso, aliás, é como a maioria de faz doces em casa, mas esperava mais de um restaurante tão bem avaliado e não tão barato. 

Mas de modo geral, a combinação Tour e almoço valem sim a pena, especialmente se tiver um dia bonito pois você pode aproveitar as lindezas do lugar e cada cantinho. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário